7 motivos para você dar uma chance a BoJack Horseman

Você já deve ter esbarrado nas redes sociais com posts de amigos ou artigos de opinião que comemoram a descoberta da melhor série da Netflix. Geralmente, esse tipo de conteúdo invade as nossas timelines sempre que o serviço de streaming lança uma nova promessa em seu catálogo.

Uma dessas unanimidades é Narcos. Nada contra Narcos, tenho até amigos que assistiram, mas é inegável que a Netflix produziu outras séries que também poderiam ter sido alçadas ao posto de melhor produção de todos os tempos da última semana. E, provavelmente, foram. Mas o que todas esses séries que, alguma vez, foram eleitas como a favorita do público ou a queridinha da critica têm em comum? Uma grife (alô, Tina Fey!) que funciona como um selo ISO de qualidade e uma grandiosa estratégia de marketing mundial.

BoJack Horseman não teve nenhuma dessas coisas. Mas isso não importa, pois meu objetivo não é apresentar mais uma novidade que promete ser a melhor coisa que você viu na vida. Não me entenda mal, BoJack Horseman é uma excelente série. Mas vamos ser honestos e concordar que os melhores são sempre escolhidos levando-se em conta o gosto pessoal (e, às vezes, outros interesses) de que quem os escolheu. Por isso, minha intenção é menos pretensiosa. Resolvi listar 7 motivos para você dar uma chance a essa série que apareceu em suas recomendações, mas que você não deu muita bola.

Sinopse

Antes de sair enumerando as razões que podem convencê-lo, eis algumas coisas que você precisa saber:

Imagem 2BoJack Horseman é ambientada em um mundo onde humanos e animais antropomorfizados convivem lado a lado. BoJack é a estrela de uma sitcom chamada Horsin’Around, que girava em torno da vida de um cavalo e três jovens órfãos adotados por ele (pense em algo como Full House). A série fez muito sucesso enquanto foi ao ar entre os anos 80 e 90. 20 anos depois, levando uma vida decadente, BoJack planeja se tornar relevante novamente com o lançamento de sua autobiografia. Nesta missão, ele conta com a ajuda de sua agente e ex-namorada Princess Carolyn (uma gata cor de rosa) e de sua ghostwriter Diane Nguyen. BoJack também precisa lidar com Todd, seu amigo folgado e com Mr. Peanutbutter, um cão que estrelou uma sitcom com uma premissa semelhante a Horsin’Around.

E aí, não se interessou ainda? Então vamos às razões!

1 - Elenco

Confesso que eu mesmo não dei muita bola quando esbarrei com BoJack Horseman nas novidades da Netflix. O que me convenceu a assistir à série foi o elenco envolvido no projeto. Órfão de Arrested Development e Breaking Bad, foi uma grande alegria descobrir uma nova série com Will Arnet  e Aaron Paul. O elenco principal traz ainda Alison Brie, de Comunnity e Mad Men, e Amy Sedaris, que já fez participações em outras tantas séries.

Imagem 3

Naomi Watts

Além disso, a diretora de elenco, Linda Lamontagne, conseguiu reunir participações especiais de dar inveja a qualquer série de TV. Nos créditos finais de cada episódio, é comum surpreender-se com nomes do calibre de Kristin Chenoweth, Lisa Kudrow, J.K. Simons, Stanley Tucci, Melissa Leo, Aisha Tyler, Angélica Huston, Ricky Gervais, Amy Schumer, Liev Schreiber e mais. A lista fica ainda mais surpreendente quando incluímos os atores Naomi Watts Daniel Radcliffe, e o músico Paul McCartney, todos interpretando a si mesmos.

2 - Sátira à Hollywood

Satirizar o universo de Hollywood não é novidade na TV americana. Mas BoJack Horseman faz isso brilhantemente. Recheada de autorreferências, a série ri e reflete, ao mesmo tempo, sobre questões como a transformação de estrelas-mirins em  “garotas-problema”, o orgulho que os americanos têm pelo exército e pelo próprio país, e a cobertura da mídia que promove a cultura de celebridades em detrimento de assuntos importantes.

Um dos episódios mais comentados na segunda temporada diz respeito ao abuso e violência contra as mulheres cometidos por estrelas de Hollywood e que são ignorados ou diminuídos pela indústria.

Imagem 4

Cena do episódio "Hank After Dark"

O caso mais recente que você deve lembrar envolve o comediante Bill Cosby. Mas o criador e produtor executivo Raphael Bob-Waksberg disse, em entrevista, que é fácil ligar o que acontece na série ao caso de Cosby “porque nós concordamos que ele é o cara mau”.  Outras cinco celebridades com acusações semelhantes são citadas no episódio e tanto a imprensa quanto o público preferiram não comentar.

 

3 - Comédia Seriada

Diferentemente de séries como The Simpsons e ao contrário do que possa parecer, BoJack Horseman não é uma sitcom. Mesmo usando as mesmas roupas em, praticamente, todos os episódios, os personagens envelhecem. Fatos que acontecem em determinado momento tem consequências que não são abandonadas ou esquecidas. Isso vai desde pequenos detalhes, como uma mobília destruída, a tramas maiores.

Imagem 5Falando em linhas narrativas, a comédia apresenta, ao longo das duas temporadas lançadas até agora, subtramas importantes que se desenrolam em vários episódios para todos os seus coadjuvantes. Ao assistir aos primeiros episódios, você pode não acreditar nisso. Mas, a partir do quarto ou quinto episódio, é possível perceber o caminho escolhido pela série.  Aliás, cinco episódios é justamente o que a Netflix diz que você precisa assistir para se viciar em BoJack Horseman.

4 - Dark & Twisted

Alguns podem querer chamá-la de dramédia, ou comédia dramática, mas BoJack Horseman é claramente uma comédia. E das boas! Os roteiristas fazem uso dos mais diversos tipos de humor, do nonsense à ironia, passando pelo politicamente incorreto. Porém, a série traz também momentos bem melancólicos.

Imagem 6Embora não tenha sido diagnosticado, BoJack enfrenta, claramente, problemas com depressão ou transtornos similares. É comum ouvir o personagem soltar frases do tipo “Eu não entendo como as pessoas... vivem. É incrível que pessoas acordem todas as manhãs e digam ‘Yeah, outro dia, vamos lá!’ Como as pessoas fazem isso?”.

E se, a princípio, isso parece apenas mais um traço da personalidade autodestrutiva de BoJack, a série vai se aprofundando no pesar que envolve também os outros personagens como este artigo no BuzzFeed resume tão bem em alguns gifs.

5 - Camadas

 Além das camadas dramáticas, Bojack Horseman também traz várias camadas de ação acontecendo na tela. Não importa quantas vezes você assista aos episódios, sempre vai encontrar alguma piada pela primeira vez, esteja ela no background ou escondida em alguma referência obscura.

Imagem 7Os animais antropomorfizados são responsáveis por grande parte dessas gags. A cada episódio, você vai encontrar novos clichês envolvendo o comportamento das espécies retratadas. E, acredite, é muito divertido reassistir aos episódios e ficar reparando nesses pequenos detalhes. Aqui e aqui você encontra algumas coisas que podem passar despercebidas.

6 - Mídias Sociais

BoJack Horseman não conta com verbas gigantescas de marketing como suas irmãs House of Cards e Orange is The New Black. Por isso mesmo, ela encontrou uma forma de promoção mais barata, mas não menos importante: as mídias sociais.

Imagem 8Seguir BoJack Horseman nas redes é garantia de ver um universo expandido tão bom e engraçado quanto o original (e com conteúdo exclusivo). Por exemplo, quando foi noticiado que a apresentadora brasileira Xuxa não renovaria seu contrato com a Globo, o perfil oficial do personagem publicou uma imagem com a seguinte legenda em português:

“Minha eterna rainha! @xuxamenegheloficial, te espero aqui em Hollywoo pra curtimos como nos bons e velhos tempos.”

7 - Créditos de Abertura e Encerramento

BoJack Horseman entrou para o seleto grupo de séries que você vê sem pular os créditos de abertura e encerramento. Isso acontece porque eles conversam com o conteúdo da série. Em entrevista, o diretor Mike Roberts falou o quão importante é a sequência de abertura:

“Eu sinto como se eu soubesse exatamente como os créditos iniciais deveriam ser assim que li os roteiros. Eles têm que estabelecer o tom e falar para a audiência que o show não é apenas sobre contar piadas. Tem que ser como aquele sentimento em que uma gargalhada vira um ‘oh, merda’. Parte do meu trabalho era deixar você saber que haverá episódios engraçados, episódios para pensar, e algo mais sombrio depois. Parte do trabalho do criador dos créditos de abertura é fazer você se animar com uma história que você ainda não viu.”  (tradução livre)

A música escolhida para a sequência foi composta pelo músico Patrick Carney, mas os produtores tinham outra canção que não estavam dispostos a abrir mão.  A faixa da banda de indie rock Grouplove que contrapunha a alegria da melodia com a melancolia da letra acabou entrando nos créditos finais.

E aí? Será que convenci você a dar uma chance a BoJack Horseman? Se sim, não perde tempo e corre lá que a Netflix tem duas temporadas inteirinhas + um especial de Natal esperando por você. E a terceira temporada já foi confirmada!

Depois me conta o que achou da série aí nos comentários!