Caixa de Histórias 30: Hiroshima

Neste episódio recebemos Thata Finotto pra discutir o New Journalism de Hiroshima de John Hersey.

Download e feed: DOWNLOAD MP3 // FEED RSS // iTUNES

Compre o livro

Comentado no episódio

Trilha Sonora

Cryptic Sorrow - Atlantean Twilight de Kevin MacLeod está licenciada sob uma licença Creative Commons Attribution (https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/)

Origem: http://incompetech.com/music/royalty-free/index.html?isrc=USUAN1100276

Artista: http://incompetech.com/

Daily Beetle de Kevin MacLeod está licenciada sob uma licença Creative Commons Attribution (https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/)

Origem: http://incompetech.com/music/royalty-free/index.html?isrc=USUAN1500025

Artista: http://incompetech.com/

Contato


Não há intenção de violar o direito autoral, o uso de trechos de obras literárias aqui se baseia no inciso III do artigo 46 da Lei 9.610/98 que diz que " Não constitui ofensa aos direitos autorais a citação em livros, jornais, revistas ou qualquer outro meio de comunicação, de passagens de qualquer obra, para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor e a origem".

  • Rodrigo Bamondes

    Paulo, tudo bem? Sou o Rodrigo Bamondes, nos conhecemos no último PODBreja. Só p/ comentar Hiroshima e Nagasaki eram redutos com grande quantidade cristãos dentro do Japão religião que foi trazida pelos navegantes portugueses. De bate pronto eu achei esse link falando da comunidade cristã em Nagasaki, mas sei que em Hiroshima eles também eram bem numerosos. http://fratresinunum.com/2014/04/02/nagasaki/

  • Oi Rodrigo, interessante, por isso a presença cristã tão forte no livro, não apenas por ter sido feito por um jornalista americano, legal obrigado pelo complemento 😉

  • frases_Mr.Satan

    O que faltou no cast foi a opinião de cada participante de forma mais ampla sobre o evento, e o tempo poderia ter sido melhor aproveitado pra falar do assunto central do que perder tempo explicando sobre o novo jornalismo(parte que pulei). Também conseguiram me convencer a não ler o livro, pela visão americana do mesmo.

    • O foco da nossa abordagem foi justamente o novo jornalismo e storyteller que tem sido uma tendência em várias mídias.
      Agora sobre a nossa opinião, não se trata de dizer o que achamos da bomba isso é um fato lamentável que marcou nossa histórias em que canais históricos como o Xadrez Verbal tem mais propriedade pra falar, nós quisermos ressaltar o aspecto humano da questão como o fato atingiu os indivíduos.
      E pelo que o Rodrigo comentou aqui no post essa meu medo de o viés americano ter distanciado muito o livro da realidade não é tão justificável já que realmente havia uma presença forte do catolicismo em Hiroshima.
      Claro que a origem do jornalista sempre vai criar algumas limitações na sua visão e interpretação de uma cultura estrangeira, mas isso não invalida o trabalho e como falamos se trato do aspecto humano, e nossa capacidade empática com estes indivíduos que sofreram com a bomba.

      • frases_Mr.Satan

        Bem acho que me expressei mal sobre quando eu disse que faltou a opinião de forma mais ampla dos participantes, não opinião sobre a bomba e si, é que eu esperava um pouco mais de historia no cast sobre o que levou os americanos a entrar na gerra etc ate chegar ao evento da bomba em si, equivocadamente baixei esperando um pouco de historia mesmo, mas como vc disse era apenas bate-papo sobre novo jornalismo(algo desinteressante pra mim), e sobre o livro cheguei ao cast justamente pra pesquisar algum review sobre o livro pois estava pensando em compra-lo e minha duvida inicial era… será que um livro escrito por um americano teria uma visão bacana sobre o evento, ai pelos menos o cast me esclareceu a duvida que tinha e me fez economizar alguma grana pois assim decidi não comprar o livro.

        • Bom tem um lado importante, que esta reportagem levantou para o próprio povo americano tudo aquilo que eles queriam esconder de certa forma é uma autocrítica poderosa.