A Guerra da Rainha Vermelha

Eu costumo dizer que o bom autor conquista a atenção do leitor no primeiro capítulo de um livro. Ele não precisa ser genial logo de cara, mas tem que, de alguma forma, despertar o desejo de continuar a leitura. Caso contrário, corre o sério risco de ser deixado de lado antes mesmo de entrar no grosso da história.

Mas existem também aqueles autores que não precisam de um capítulo inteiro pra te ganhar. Eles já te conquistam na primeira página. Mark Lawrence é um desses autores.

Mark-Lawrence-autor-Trilogia-dos-Espinhos-Red-Queen-s-WarO americano radicado no Reino Unido, que já trabalhou como pesquisador em Inteligência Artificial, deu o que falar nos últimos anos, depois do lançamento da sua Trilogia dos Espinhos (composta por Prince, King e Emperor of Thorns), sendo considerado por muitos, juntamente com Brandon Sanderson (Elantris e Mistborn) e Joe Abercrombie (trilogia A Primeira Lei), um dos expoentes da literatura fantástica contemporânea.

Lawrence consegue seu destaque principalmente na quebra de paradigmas na escrita fantástica. Por mais que seus personagens tragam a carga das tradições lendárias de capa e espada, há uma subversão dos valores e dos conceitos que estamos acostumados a guiarem nossos heróis em suas missões.

Isso já havia ficado bem claro na Trilogia dos Espinhos, sobretudo no primeiro livro, Prince of Thorns, onde é apresentado o personagem principal, e onde você é levado a odiá-lo na mesma medida que o admira.

Em A Guerra da Rainha Vermelha, Mark consegue mais uma vez criar um personagem que lhe trará sentimentos dúbios. Mas, se você acha que serão os mesmos sentimentos que nutriu por Jorg Ancrath, está muito enganado!

O que é ser um herói?

No primeiro livro da série, Prince of Fools, conhecemos nosso guia, Jalan Kendeth, décimo na linha de sucessão do trono de Marcha Vermelha, que é, usando suas próprias palavras, um mentiroso, trapaceiro e covarde.

Sou um mentiroso, um trapaceiro e um covarde, mas nunca, jamais, irei decepcionar um amigo. A menos que, para não decepcioná-lo, seja preciso demonstrar honestidade, jogo limpo ou bravura.

cbtoqcqrrtronrdcy2zpPor uma série de “acasos”, sua covardia é sempre interpretada como bravura, e suas trapaças, como astúcia. Considerado um herói por seu povo, ele se vê forçado a lutar numa guerra que pode decidir o rumo do Império Quebrado. Com um companheiro de viagem inusitado, Jalan tenta com todas as forças fugir dessa responsabilidade e voltar a sua vida de prazeres e regalias. Mas, acima de tudo, ele tenta não ser mudado por sua jornada, ou seja, ele quer permanecer um covarde.

E surge então uma questão, que poderia ser estendida até outras obras de fantasia. Para ser um herói, o que é mais importante: você acreditar em si mesmo ou os outros acreditarem em você?

O Império Quebrado

Comparações com a Trilogia dos Espinhos são inevitáveis, até porque em pouco tempo percebemos que as duas histórias se passam no mesmo universo. A grande questão é que Mark Lawrence não deixa isso escancarado, o que permite que as duas obras tenham seus próprios méritos e se desenvolvam distintamente. Ele te fornece pequenos detalhes, geográficos principalmente, que se você acompanhou as viagens de Jorg Ancrath, vai matar parte da charada. Digo parte, porque ele também não te entrega exatamente como as duas histórias se encaixam no universo do Império Quebrado. Pra ter essa resposta, você vai precisar ler até o fim!

map-king-of-thornsEssa abordagem do autor tem duas vantagens, uma pra quem já leu seus outros livros, e outra pra quem vai começar por Prince of Fools:

  • Se você já é familiarizado com o universo criado por Lawrence, aqui você não vai encontrar mais do mesmo. Novamente ele conseguiu subverter o gênero fantástico (que muitos chamam de Dark Fantasy), e surpreende mesmo já tendo feito isso antes. É a subversão da subversão! 
  • Pra você que nunca leu nada do Lawrence, fique tranquilo. Não há a necessidade de ter lido os livros anteriores dele. Você vai entender a história perfeitamente. O máximo que vai acontecer, é perder algumas piadas que ele faz ao longo da narrativa.

Se você gostou...

Assim como a Trilogia dos Espinhos, quem trouxe pro Brasil mais essa série de fantasia foi a Darkside Books, mais uma vez com trabalho gráfico e qualidade impecáveis.

Em breve, podemos esperar a chegada por aqui do segundo livro da série, The Liar's Key, que foi publicado nos EUA em junho do ano passado. Já o terceiro, The Wheel of Osheim, pode demorar mais um pouquinho, pois só deve ser lançado em 2016 nos EUA.