Crossovers: Quadrinhos x Literatura

Crossover pode significar muitas coisas: pode ser uma troca de material genético entre cromossomos; um drible de basquete; um tipo de distorção eletrônica; ou até mesmo uma passagem para os atores se movimentarem sem que o público os veja. Mas o crossover que interessa pra gente hoje é o ficcional, onde há a combinação de personagens ou cenários de universos ficcionais distintos. Pra facilitar, é quando as obras e/ou as mídias se misturam.

São inúmeros os exemplos de crossovers, indo desde filmes (Alien vs Predador) até games (Kingdom Hearts).  Mas, na minha singela opinião, os mais legais são aqueles que combinam personagens da literatura clássica, entre si ou com cenários modernos. E pra apimentar mais um pouco essa mistureba, porque não extrapolar também a mídia original?

É por isso que hoje a gente vai falar de três obras que trazem exatamente esses elementos.

O Inescrito (The Unwritten)

Imagine que seu pai escreveu uma série de livros de fantasia infanto-juvenil sobre as aventuras de um personagem inspirado em você. Legal né? Agora vamos um pouco além, e imagine que esta obra torna-se o maior best seller de todos os tempos. É quase como ganhar na loteria! Seu nome é conhecido mundialmente. Você é convidado para convenções todo ano, onde é tratado como uma celebridade hollywoodiana. Num primeiro momento, você com certeza iria desfrutar.

Mas e se seu pai simplesmente sumisse do mapa, sem deixar vestígios? E se você fosse crescendo e não conseguisse realizar nada na vida, pois estaria sempre à sombra do personagem que inspirou? Agora as coisas não parecem mais tão boas assim né?

13677_900x1350É nessa situação que conhecemos Tom Taylor, chegando perto dos 30 anos sem ter nenhuma conquista além de ser a inspiração do herói literário Tommy Taylor (até seu nome o pai deu ao personagem). E como tudo que está ruim pode sempre piorar, em uma edição da TommyCon (convenção anual criada para celebrar as aventuras de Tommy Taylor), durante uma entrevista coletiva, uma moça lhe faz uma pergunta que cai como uma bomba em seu colo: “Quem é você de verdade, Tom?”

A partir dessa pergunta, Tom começa a se questionar o que antes era irrefutável: será que ele é realmente quem pensa ser? Enquanto tenta buscar mais detalhes sobre suas origens, Tom se vê o ponto central de uma trama que parece desafiar os limites da realidade.

The Unwritten é o resultado dessa complexa criação da dupla Mike Carey e Peter Gross, que mistura temas altamente filosóficos (como consciente coletivo e manipulação em massa) a análises de obras literárias clássicas (como Moby Dick e Leviatã), passando inclusive por questionamentos sobre fama e celebridade.

É uma verdadeira ode às histórias, sejam elas quais forem: recentes ou antigas; verídicas ou fictícias; esquecidas ou eternas.

Fábulas (Fables)

E se você não pudesse só viajar por dentro das histórias, mas conviver com os personagens dos contos de fadas? Se eles fossem reais e tivessem que enfrentar os problemas da vida cotidiana? Não, esse não é o enredo só de Once Upon a Time. Muito antes de surgir a série de TV, já existia Fables, do escritor americano Bill Willingham.

MTVG-Fables2Aqui a gente encontra personagens conhecidos nossos de longa data, mas em uma roupagem bem diferente da que estamos acostumados. Branca de Neve secretária do prefeito? Lobo Mau como delegado? Cachinhos Dourados terrorista? Pode acreditar, isso é possível em Fables!

Isso porque eles tiveram que sair da sua Terra Natal, devido a uma guerra contra um Inimigo desconhecido, e fugir para o mundo real. A maioria se concentra num bairro de Nova York, chamado Fabletown, ou numa Fazenda no campo (esta só para os personagens que não tem forma humana). Mas outros estão espalhados por ai pelo mundo, se misturando a nós, meros humanos.

Fables tem sucesso reconhecido tanto na sua linha principal quantos nos seus vários spin-offs (Cinderela, Fadas, Jack) e já foi considerada por mais de uma vez a melhor série de quadrinhos em atividade, tendo sido criada em 2002.

Esse sucesso muito se deve ao fato de que em algum momento você vai se identificar com um personagem ou uma referência retratados na trama, não importa seu gosto literário. A proposta inicial de trabalhar apenas com contos de fadas é extrapolada em um dado momento, e as histórias como um todo passam a ser contempladas, entrando aí desde folclore de modo geral até épicos fantásticos como Senhor dos Anéis e Crônicas de Nárnia.

A Liga Extraordinária (The League of Extraordinary Gentlemen)

Talvez o crossover quadrinhos x literatura mais conhecido, essa obra-prima de Alan Moore vai se diferenciar das outras duas já citadas hoje pelo simples fato de que não estamos aqui exatamente no mundo real. Vamos imaginar que estamos num universo alternativo, ambientado principalmente nas novelas de ficção exploratória dos fins do século XIX. Mas uma coisa a Liga tem em comum com Fables e Unwritten: os personagens são nossos velhos conhecidos.

LeagueAcompanhamos uma estranha reunião de celebridades literárias: Alain Quatermain (As Minas do Rei Salomão, de H. Rigger Haddard), Capitão Nemo (20.000 Léguas Submarinas, de Julio Verne), Dr. Henry Jekyll (O Estranho Caso do Dr. Jekyll e Mr. Hyde, de Robert Louis Stevenson) e Halley Griffin (O Homen Invisível, de H. G. Wells). Essas personalidades tão diferentes são unidas por ninguém menos que Wilhelmina Murray, antes Harker (Drácula, de Bran Stoker), com o objetivo de combater um mal que nem mesmo eles sabem o que é.

Apesar das controvérsias envolvendo o terceiro volume da série (quando alguns dizem que o velho Alan Moore começou a caducar), os dois primeiros podem facilmente ser colocados no Hall da Fama dos quadrinhos.

É um verdadeiro deleite, seja pra você que quis viajar mais uma vez no Nautilus ou na Máquina do Tempo; ou talvez se você sempre quis saber como seria se o mundo fosse steampunk; ou até mesmo se você quer ver um drama com personagens complexos e cheios de camadas. Ah, ia esquecendo, tem peia muita, de todos os tipos possíveis e imagináveis. =D

  • Arthur Zopellaro

    Kingdom Hearts tem um espaço especial no meu coração.
    Não sei se é pelo fator nostalgia (sobre a disney fazer parte da minha infância) ou por eu ter jogado muito KH quando pequeno. A música tema do segundo jogo sempre me deixa com os olhos marejados. Sempre.

    Eu não conhecia o O Inescrito.
    A Liga Extraordinária só vi o filme, mas tem muito tempo já, então lembro nada.
    E Fábulas eu li só as primeiras edições mas tenho muita vontade de ler tudo, gostei demais!

    • Gabriel Franklin

      Vai chorar?

      • Gabriel Franklin

        Falando sério agora, as três obras valem muito a pena mah! Principalmente a Liga Extraordinária, já que o filme deixa muito a desejar.

        Sobre KH, eu choro toda vez que escuto a abertura. T-T

    • Gabriel Franklin

      Falando sério agora, as três obras valem muito a pena mah! Principalmente a Liga Extraordinária, já que o filme deixa muito a desejar.

  • Arthur Zopellaro

    Kingdom Hearts tem um espaço especial no meu coração.
    Não sei se é pelo fator nostalgia (sobre a disney fazer parte da minha infância) ou por eu ter jogado muito KH quando pequeno. A música tema do segundo jogo sempre me deixa com os olhos marejados. Sempre.

    Eu não conhecia o O Inescrito.
    A Liga Extraordinária só vi o filme, mas tem muito tempo já, então lembro nada.
    E Fábulas eu li só as primeiras edições mas tenho muita vontade de ler tudo, gostei demais!

    • Gabriel Franklin

      Vai chorar?

      • Gabriel Franklin

        Falando sério agora, as três obras valem muito a pena mah! Principalmente a Liga Extraordinária, já que o filme deixa muito a desejar.

        Sobre KH, eu choro toda vez que escuto a abertura. T-T

    • Gabriel Franklin

      Falando sério agora, as três obras valem muito a pena mah! Principalmente a Liga Extraordinária, já que o filme deixa muito a desejar.

  • Inácio Fantino

    Olá, amigos. Passando apenas para deixar um abraço virtual. Descobri só agora o IRADEX e ouvi três ótimos episódios do podcast, esta semana. Fiquei fã.
    Gostei demais da iniciativa dos contos e espero preparar alguma coisa inédita, para aproveitar a deixa (já tenho contos publicados pela Amazon, mas os que lá estão são da modalidade exclusiva, não podendo ser compartilhados em outras mídias).
    No mais, dizer que dá uma satisfação especial, saber que o trabalho qualificado e bacana é feito por pessoas de nossa sofrida mas querida Fortaleza/CE.
    Seguirei ouvindo.
    Nos vemos por aí, qualquer dia.
    Namárië.

    • Gabriel Franklin

      Muito obrigado pela mensagem Inácio!

      Abraço!

  • Inácio Fantino

    Olá, amigos. Passando apenas para deixar um abraço virtual. Descobri só agora o IRADEX e ouvi três ótimos episódios do podcast, esta semana. Fiquei fã.
    Gostei demais da iniciativa dos contos e espero preparar alguma coisa inédita, para aproveitar a deixa (já tenho contos publicados pela Amazon, mas os que lá estão são da modalidade exclusiva, não podendo ser compartilhados em outras mídias).
    No mais, dizer que dá uma satisfação especial, saber que o trabalho qualificado e bacana é feito por pessoas de nossa sofrida mas querida Fortaleza/CE.
    Seguirei ouvindo.
    Nos vemos por aí, qualquer dia.
    Namárië.

    • Gabriel Franklin

      Muito obrigado pela mensagem Inácio!

      Abraço!

  • Pingback: Coisas Frágeis e porque devemos contar nossas histórias | Iradex()