vitrinecx08

Caixa de Histórias 08: De Gados e Homens

Nesta semana Paulo Carvalho recebe Ivan Mizanzuk para discutir o livro De Gados e Homens de Ana Paula Maia.

Download e feed: DOWNLOAD MP3 // FEED RSS // iTUNES

Comentado no episódio

Compre o livro

Promoção Cidade da Meia-Noite

Clique aqui e participe da promoção

Trilha Sonora

Just As Soon de Kevin MacLeod está licenciada sob uma licença Creative Commons Attribution (https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/)

Origem: http://incompetech.com/music/royalty-free/index.html?isrc=USUAN1100185

Artista: http://incompetech.com/

Covert Affair - Film Noire de Kevin MacLeod está licenciada sob uma licença Creative Commons Attribution (https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/)

Origem: http://incompetech.com/music/royalty-free/index.html?isrc=USUAN1100795

Artista: http://incompetech.com/

Contato

 


 

Não há intenção de violar o direito autoral, o uso de trechos de obras literárias aqui se baseia no inciso III do artigo 46 da Lei 9.610/98 que diz que " Não constitui ofensa aos direitos autorais a citação em livros, jornais, revistas ou qualquer outro meio de comunicação, de passagens de qualquer obra, para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor e a origem

  • Arthur Zopellaro

    Não li esse livro, mas essa parte narrada me lembrou um pouco um curta independente do Rafinha Bastos.
    Queria compartilhar aqui mas infelizmente foi retirado do youtube :/
    De qualquer forma, fica aqui o IMDB do curta: http://www.imdb.com/title/tt3917474

    Achei interessante a abordagem que o livro parece ter, vou colocar na minha lista!

    • Oi Arthur desculpe a demora em responder só ví o comentário agora.
      Valeu pela indicação, vou procurar conhecer.

  • Jaime Guimarães

    Amo os livros da Ana Paula Maia. Adoro a forma com que ela faz os personagens se cruzarem através de seus romances. Edgar Wilson, Erasmo Wagner, Ernesto Wesley…são brutos fantásticos.

    Já li Entre rinhas de cachorros e porcos abatidos, Carvão Animal e De Gados e Homens(Além do folhetim Desalma). Agora estou lendo A Guerra dos Bastardos, também da Ana Paula; creio que seja o seu trabalho mais ousado e complexo até agora.(Também tem o Edgar Wilson.haha)

    Gostei bastante do podcast, pretendo acompanhar. Parabéns. Seria bacana ver vocês comentando outros títulos da APM.

    Abraço.

    • Valeu Jaime, pra mim foi uma bela descoberta, que mais pessoas conheçam a obra desta incrível autora.

  • Jaime Guimarães

    Amo os livros da Ana Paula Maia. Adoro a forma com que ela faz os personagens se cruzarem através de seus romances. Edgar Wilson, Erasmo Wagner, Ernesto Wesley…são brutos fantásticos.

    Já li Entre rinhas de cachorros e porcos abatidos, Carvão Animal e De Gados e Homens(Além do folhetim Desalma). Agora estou lendo A Guerra dos Bastardos, também da Ana Paula; creio que seja o seu trabalho mais ousado e complexo até agora.(Também tem o Edgar Wilson.haha)

    Gostei bastante do podcast, pretendo acompanhar. Parabéns. Seria bacana ver vocês comentando outros títulos da APM.

    Abraço.

    • Valeu Jaime, pra mim foi uma bela descoberta, que mais pessoas conheçam a obra desta incrível autora.

  • Eu sou a Carmina que recomendou o livro ao Ivan,eu não conhecia o podcast já estou escutando o 4° episodio seguido e adorei a protosta de vocês! podem me considerar mais uma ouvinte! abraços!

    • Brigadão Carminha, tanto pelo elogio, como por nos apresentar este livro fantástico.

  • Eu sou a Carmina que recomendou o livro ao Ivan,eu não conhecia o podcast já estou escutando o 4° episodio seguido e adorei a protosta de vocês! podem me considerar mais uma ouvinte! abraços!

    • Brigadão Carminha, tanto pelo elogio, como por nos apresentar este livro fantástico.

  • Oi Arthur desculpe a demora em responder só ví o comentário agora.
    Valeu pela indicação, vou procurar conhecer.

  • Seitan

    Ótimo livro. Apesar do livro ser um pouco caro para o número de paginas, o material físico é bem editado, bonito e confortável de se ler.
    A historia e os diálogos crus, que permeiam a maior parte da obra, são os pontos mais interessantes do livro, mas nem sempre isso me pareceu bom. Isso gera situações que refletem personagem, vidas e casos que na realidade são brutos, incompletos e trágicos, só que muitas vezes parece que certas coisas são rasas demais. Talvez isso seja um problema da falta de direção do que a autora quer transmitir, mas pode ser também uma incompreensão e a efemeridade das relações humanas que a autora quer contar, de modo que nossa curiosidade demonstra a própria pobreza das nossas vidas em sociedade e o que ignoramos todos os dias, com os ritmos de vida(necessidade de trabalhar e ter entretenimento) e a falta de conexões que tenham comunicações mais profundas.
    Esse sistema, mesmo que seja uma engrenagem que faça a humanidade funcionar, é um moinho movido a sangue. Uma correnteza de um rio que nos fornece recursos, mas que em raras vezes preocupamos com sua poluição, vinda de suas margens e cidades distantes, e com a própria pesca.
    Uma excelente Autora. A ideia de todas as historias estarem em um só mundo nos livros dela é muito boa e faz todo sentido.
    Ainda não sei se leio os outros livros, porque comecei desse que é o último lançamento e as varias historias interligadas podem ser algo trabalhoso ou decepcionante pra um leitor que começou desse ponto. Talvez eu dê uma chance; e o Caixa de Historias fez toda a diferença para eu ter essa iniciativa surpreendente com uma Autora brasileira não tão famosa e também me dar o bom gosto que precisava para conseguir voltar a ler livros sem me estressar como nas exigências de leitura do meu colégio(que também gosto, mas não vem por uma busca “natural”).

    • Valeu Seitan, eu vejo esta simplificação, como recurso duplo, fazer o personagem objeto e intensificar a transformação do homem em gado. Eles não são rasos porque a autora foi leviana, mas porque perderam a capacidade de serem profundos. Vide a reação do protagonista com seu ato torpe, o que pra ele parece ter uma relação de causa e efeito. Me lembrou o curta Ilha das flores em seu encadeamento de fatos.
      Abraços.

  • Seitan

    Ótimo livro. Apesar do livro ser um pouco caro para o número de paginas, o material físico é bem editado, bonito e confortável de se ler.
    A historia e os diálogos crus, que permeiam a maior parte da obra, são os pontos mais interessantes do livro, mas nem sempre isso me pareceu bom. Isso gera situações que refletem personagem, vidas e casos que na realidade são brutos, incompletos e trágicos, só que muitas vezes parece que certas coisas são rasas demais. Talvez isso seja um problema da falta de direção do que a autora quer transmitir, mas pode ser também uma incompreensão e a efemeridade das relações humanas que a autora quer contar, de modo que nossa curiosidade demonstra a própria pobreza das nossas vidas em sociedade e o que ignoramos todos os dias, com os ritmos de vida(necessidade de trabalhar e ter entretenimento) e a falta de conexões que tenham comunicações mais profundas.
    Esse sistema, mesmo que seja uma engrenagem que faça a humanidade funcionar, é um moinho movido a sangue. Uma correnteza de um rio que nos fornece recursos, mas que em raras vezes preocupamos com sua poluição, vinda de suas margens e cidades distantes, e com a própria pesca.
    Uma excelente Autora. A ideia de todas as historias estarem em um só mundo nos livros dela é muito boa e faz todo sentido.
    Ainda não sei se leio os outros livros, porque comecei desse que é o último lançamento e as varias historias interligadas podem ser algo trabalhoso ou decepcionante pra um leitor que começou desse ponto. Talvez eu dê uma chance; e o Caixa de Historias fez toda a diferença para eu ter essa iniciativa surpreendente com uma Autora brasileira não tão famosa e também me dar o bom gosto que precisava para conseguir voltar a ler livros sem me estressar como nas exigências de leitura do meu colégio(que também gosto, mas não vem por uma busca “natural”).

    • Valeu Seitan, eu vejo esta simplificação, como recurso duplo, fazer o personagem objeto e intensificar a transformação do homem em gado. Eles não são rasos porque a autora foi leviana, mas porque perderam a capacidade de serem profundos. Vide a reação do protagonista com seu ato torpe, o que pra ele parece ter uma relação de causa e efeito. Me lembrou o curta Ilha das flores em seu encadeamento de fatos.
      Abraços.