sem-fim-04

Sem Fim - Rádio na chuva

Tá sem fazer nada aí? Vamos escutar o Sem Fim, que começou há várias edições e agora finalmente conseguiu trazer o Zé Wellington para sua estreia. Tem lançamento de música da banda Sobre o Fim. Inééééédito!

Download e feed: DOWNLOAD MP3 // FEED RSS // iTUNES

Participaram desse podcast: Raphael PH Santos, Kaio Anderson, Gabriel Franklin e Zé Wellington.


Tolere - Sobre o Fim

Links

  • Em breve... 😉

Assine o podcast

Contato

  • Mackenzie Melo

    Irados, muito legal poder ter sido ‘featured’ num episódio Sem Fim do Iradex. Obrigado pela resposta de todos, com a qual concordo em geral pois não consigo ver muita diferença entre rádio e podcast. Uma das diferenças, entretanto, que não sei até que ponto influi tanto ou não entre os dois é a questão de o programa no rádio poder estar sob a ‘força’ da empresa que pode limitar ou ditar certas normas para o programa ir ao ar, enquanto nos podcasts, pelo menos em geral, vejo menos essa possível influência da estrutura empresarial, já que me parecem ser mais ‘pessoais’.

    Tenho também algo a acrescentar sobre a questão da rádio aqui nos EUA. Interessante, primeiro, dizer que, como esse país aqui é gigantesco como o Brasil, só posso falar do que conheço. Moro no NE do país e aqui é uma das áreas mais ricas do país, então, não sei se as rádios em locais menos urbanos que aqui a estrutura radiofônica é a mesma. As rádios FM daqui, pelo menos as mais ouvidas, são ainda muito de música, mas tem vários programas que informam e brincam com os ouvintes – só que a maior parte é mesmo musical e muito menos conversa. Pelos menos é o que ouço quando a minha filha ouve as rádios que ela gosta no carro. Existem algumas rádios de notícias, em especial as NPR locais que não tocam música praticamente hora nenhuma, a não ser à noite e de madrugada – e mesmo assim não são todas. Nas rádios AM, como na minha experiência com AM no Brasil, tem música, mas as rádios são muito mais ligadas na participação do ouvinte, informação, notícias e conversa.

    Mais uma vez, obrigado pelo programa e seria uma ótima ideia se vocês conseguissem ligar para alguém no Skype, Imagino como organizar as agendas de todos deve ser difícil, mas vai ser legal poder ver vocês fazerem isso.

    Uma última coisa que notei no Facebook e não sei se é só comigo, mas queria compartilhar. Hoje eu vi que o Sem Fim saiu através do programa de Podcast que uso em meu celular. No Facebook não vi nenhuma atualização e também não vejo o post que PH falou que estava fazendo. Sou só eu que não estou vendo ou realmente vocês não atualizaram mais?

    Um grande abraço e em breve falo com vocês novamente.

  • Mackenzie Melo

    Irados, muito legal poder ter sido ‘featured’ num episódio Sem Fim do Iradex. Obrigado pela resposta de todos, com a qual concordo em geral pois não consigo ver muita diferença entre rádio e podcast. Uma das diferenças, entretanto, que não sei até que ponto influi tanto ou não entre os dois é a questão de o programa no rádio poder estar sob a ‘força’ da empresa que pode limitar ou ditar certas normas para o programa ir ao ar, enquanto nos podcasts, pelo menos em geral, vejo menos essa possível influência da estrutura empresarial, já que me parecem ser mais ‘pessoais’.

    Tenho também algo a acrescentar sobre a questão da rádio aqui nos EUA. Interessante, primeiro, dizer que, como esse país aqui é gigantesco como o Brasil, só posso falar do que conheço. Moro no NE do país e aqui é uma das áreas mais ricas do país, então, não sei se as rádios em locais menos urbanos que aqui a estrutura radiofônica é a mesma. As rádios FM daqui, pelo menos as mais ouvidas, são ainda muito de música, mas tem vários programas que informam e brincam com os ouvintes – só que a maior parte é mesmo musical e muito menos conversa. Pelos menos é o que ouço quando a minha filha ouve as rádios que ela gosta no carro. Existem algumas rádios de notícias, em especial as NPR locais que não tocam música praticamente hora nenhuma, a não ser à noite e de madrugada – e mesmo assim não são todas. Nas rádios AM, como na minha experiência com AM no Brasil, tem música, mas as rádios são muito mais ligadas na participação do ouvinte, informação, notícias e conversa.

    Mais uma vez, obrigado pelo programa e seria uma ótima ideia se vocês conseguissem ligar para alguém no Skype, Imagino como organizar as agendas de todos deve ser difícil, mas vai ser legal poder ver vocês fazerem isso.

    Uma última coisa que notei no Facebook e não sei se é só comigo, mas queria compartilhar. Hoje eu vi que o Sem Fim saiu através do programa de Podcast que uso em meu celular. No Facebook não vi nenhuma atualização e também não vejo o post que PH falou que estava fazendo. Sou só eu que não estou vendo ou realmente vocês não atualizaram mais?

    Um grande abraço e em breve falo com vocês novamente.

  • Luiz Claudio

    Ai Gabriel tem uma regra que eu sigo e uso em situações parecidas, ” O NÃO eu já tenho, agora é só tentar o SIM “, você não se frustra pois já parte pra investida sabendo que tem no mínimo um não, o resto é com você.

    • Gabriel Franklin

      Mah, o meu problema é a tensão do tentar. A dor de barriga que antecede uma tomada de decisão. Resumindo, a froxura. =D

  • Luiz Claudio

    Ai Gabriel tem uma regra que eu sigo e uso em situações parecidas, ” O NÃO eu já tenho, agora é só tentar o SIM “, você não se frustra pois já parte pra investida sabendo que tem no mínimo um não, o resto é com você.

    • Gabriel Franklin

      Mah, o meu problema é a tensão do tentar. A dor de barriga que antecede uma tomada de decisão. Resumindo, a froxura. =D

  • João Eugênio Córdova Brasil

    Salve….

    Show de programa….como já é costume….. o que mais gosto, no iradex, mas principalmente nos “Sem Fim” é o roteiro sem roteiro e a pauta sem pauta…..a típica conversa de bar! O ponto alto foi a apresentação de muitas músicas de grupos regionais…. sou fascinado por conhecer e aprender sobre essa diversidade de que somos presenteados no Brasil! Esse é um medo que muitos podcasts ainda têm, recenado perder audiência por serem muito regionais … besteira!!!!

    Quanto á surpresa do Kaio em num momento estar escutando som pesado e depois desejando ir no show da Madonna…. só digo que a beleza e a maravilha está na falta de barreiras…. Eu começo meu dia com Paganini, visito Roling Stones, dou uma passada em Ira!, retorno para Cannibal Corpses e termino com Coltraine!!!! A música deve ser a representação do quão camaleões somos e podem continuar sendo!!!!

    Recado para o Gabriel!!! É impressionante como essas paixões de momento, principalmente em ônibus, são comuns às pessoas que tem sentimentos aflorados (o que deveria acontecer para todo mundo)… Depois de minha segunda separação (sou chato mesmo antes que alguém faça alguma piada hehehehe) volta e meia me apaixono no ônibus…. mas acabo deixando tudo em minha mente… dentro de minha cabeça chego na moça, troco olhares, converso amenidades, troco telefones, me reencontro e tenho toda uma história feliz! Daí chega meu ponto, desço do ônibus e saio pela rua com um sentimento de que tudo está perfeito pois correu bem … na minha cabeça!!!!

    Abração à todos !!!!!