Iradex Podcast 47: Agente Korra

O podcast da semana foi gravado no Dia da Mulher e, para tanto, resolvemos trazer duas indicações com protagonistas femininas. No primeiro bloco, indicamos Avatar: A Lenda de Korra, uma sequência de Avatar: A Lenda de Aang. No segundo bloco, fomos de Agent Carter, spin off do seriado Agentes da SHIELD. Tudo sem spoilers.

Download e feed: DOWNLOAD MP3 // FEED RSS // iTUNES

Participaram desse podcast: Raphael PH Santos, Kaio Anderson, Gabriel FranklinZé Wellington


Nesse programa

Links

"Preencha o ouvido da sua amiga com Iradex"

Assine o podcast

Contato

Playlist do Gabriel

  • Julien Sorel

    58:50 – “Feeling Good”, Nina Simone. Brincadeira. Ouvi Amy Winehouse e Feist (“I feel it all” é coisa linda) também. Cadê a playlist seu DJ?

    Seguindo o esquema do programa – e um pouco mais fossa, conhece? Camille (“Pâle Septembre”), Cat Power (“Werewolf”), Corinne Bailey Rae (“I’d do it all again”), Duffy (“Too hurt to dance”), Karen O (trilha do “Where the Wild Things Are”) e Yael Naim (“Toxic”, só para mudar um pouco) – apenas algumas que lembrei.

    Indicação aleatória da semana: ainda na pegada voz feminina, Beth Gibbons. O pessoal deve conhecer “Glory Box”, do CD “Dummy”, mas ainda acho o CD “Portishead” ainda melhor – acho que “Only you” e “Humming” representam bem a banda musicalmente, letra melancólicas e muita distorção.

    • Gabriel Franklin

      Julien, a playlist jájá sai!

      Sobre as músicas, foi complicadíssimo fazer a escolha, porque é tanta opção que o lance foi tentar colocar as que cabiam mais com o clima do programa. Mas as indicações que você deu também são incríveis!

      Abraço!

  • Julien Sorel

    58:50 – “Feeling Good”, Nina Simone. Brincadeira. Ouvi Amy Winehouse e Feist (“I feel it all” é coisa linda) também. Cadê a playlist seu DJ?

    Seguindo o esquema do programa – e um pouco mais fossa, conhece? Camille (“Pâle Septembre”), Cat Power (“Werewolf”), Corinne Bailey Rae (“I’d do it all again”), Duffy (“Too hurt to dance”), Karen O (trilha do “Where the Wild Things Are”) e Yael Naim (“Toxic”, só para mudar um pouco) – apenas algumas que lembrei.

    Indicação aleatória da semana: ainda na pegada voz feminina, Beth Gibbons. O pessoal deve conhecer “Glory Box”, do CD “Dummy”, mas ainda acho o CD “Portishead” ainda melhor – acho que “Only you” e “Humming” representam bem a banda musicalmente, letra melancólicas e muita distorção.

    • Gabriel Franklin

      Julien, a playlist jájá sai!

      Sobre as músicas, foi complicadíssimo fazer a escolha, porque é tanta opção que o lance foi tentar colocar as que cabiam mais com o clima do programa. Mas as indicações que você deu também são incríveis!

      Abraço!

  • GG

    Queria indicar a banda Syd Matters(melhores musicas pra mim são
    “To All Of You” e “Obstacles”) e o jogo Life is Strange que foi como conhecia banda,esse jogo tem uma protagonista feminina e tem uma trilha sonora muito boa.

  • GG

    Queria indicar a banda Syd Matters(melhores musicas pra mim são
    “To All Of You” e “Obstacles”) e o jogo Life is Strange que foi como conhecia banda,esse jogo tem uma protagonista feminina e tem uma trilha sonora muito boa.

  • Camila

    Não entendi muito o que vocês quiseram dizer com a Cersei e a Sansa serem personalidades mais “reais” do que a Arya e a Brienne. Pareceu querer estereotipar a personalidade das mulheres. Acho que faltou quem dominasse melhor o conteúdo nesse podcast, pois em mutas horas as informações conflitavam ou erram erradas. Também não sei como um grupo se propõe a falar de questões de gênero sem querer entrar no feminismo. Deu pra sentir muito a falta de uma mulher participando do programa.

    • phsantos

      Olá Camila,

      Primeiramente, gostaria de pedir desculpas caso algo tenha sido ofensivo ou errado.

      Só esclarecendo o ponto de Game of Thrones, nós apenas apontamos os arquétipos escritos pro Martin. Não teve juízo de causa sobre. E posicionamos Korra entre os arquétipos reconhecidos em GoT. Acho que houve uma falha na interpretação ou não nos fizemos claros. Ficam as desculpas.

      Sobre os erros e divergências, gostaria que você listasse alguns e nos desse a chance de nos retratarmos.

      Obrigado por nos ouvir e usar seu tempo para nos deixar um ótimo comentário.

    • Camila, há um debate já clássico entre os fãs de game of thrones em como muitos dos fãs toleram mulheres com perfis heroicos (Brienne e Arya) e não toleram outros perfis femininos da série (Sansa e Cersei). Essa foi uma conversa que já iniciei em um episódio do podcast Sete Reinos, se não me engano, e quis referenciar essa conversa, mas o fiz de forma muito superficial, o que de fato possibilita uma compreensão errada. Erro meu. Há um texto muito bom no game of thrones BR sobre isso, vou ver se encontro e mando por aqui.
      Fui o primeiro a falar que não falaríamos sobre feminismo. Não sou especialista no assunto, mas procuro sempre ler sobre. De toda forma, essa decisão se deu apenas por respeito a várias ativistas que dizem que homem não pode falar sobre feminismo. Eu não concordo com essa máxima, mas, para este momento, preferi respeitar e procurar debater apenas representação de gênero.
      Não havia entre nós a intenção em sermos catedráticos e afirmar verdades, apenas quisemos apresentar parte da nossa visão sobre estes temas. E entre nós mesmos não há consenso, cada um tem sua visão, por isso algumas vezes o papo pode ter parecido conflitante.
      E sim, poderíamos ter tido uma mulher para participar deste episódio. Da mesma forma que poderíamos ter tido participações feminina em qualquer outro episódio do Iradex, mas nem sempre isso é possível, infelizmente.

      Sem falsa modéstia, o teu comentário é essencial para que nosso discurso melhor se desenvolva. Eu realmente acho que, assim como a grande maioria dos brasileiros, a minha visão sobre construção social e gênero precisa ser melhor educada.

  • Camila

    Não entendi muito o que vocês quiseram dizer com a Cersei e a Sansa serem personalidades mais “reais” do que a Arya e a Brienne. Pareceu querer estereotipar a personalidade das mulheres. Acho que faltou quem dominasse melhor o conteúdo nesse podcast, pois em mutas horas as informações conflitavam ou erram erradas. Também não sei como um grupo se propõe a falar de questões de gênero sem querer entrar no feminismo. Deu pra sentir muito a falta de uma mulher participando do programa.

    • phsantos

      Olá Camila,

      Primeiramente, gostaria de pedir desculpas caso algo tenha sido ofensivo ou errado.

      Só esclarecendo o ponto de Game of Thrones, nós apenas apontamos os arquétipos escritos pro Martin. Não teve juízo de causa sobre. E posicionamos Korra entre os arquétipos reconhecidos em GoT. Acho que houve uma falha na interpretação ou não nos fizemos claros. Ficam as desculpas.

      Sobre os erros e divergências, gostaria que você listasse alguns e nos desse a chance de nos retratarmos.

      Obrigado por nos ouvir e usar seu tempo para nos deixar um ótimo comentário.

    • Camila, há um debate já clássico entre os fãs de game of thrones em como muitos dos fãs toleram mulheres com perfis heroicos (Brienne e Arya) e não toleram outros perfis femininos da série (Sansa e Cersei). Essa foi uma conversa que já iniciei em um episódio do podcast Sete Reinos, se não me engano, e quis referenciar essa conversa, mas o fiz de forma muito superficial, o que de fato possibilita uma compreensão errada. Erro meu. Há um texto muito bom no game of thrones BR sobre isso, vou ver se encontro e mando por aqui.
      Fui o primeiro a falar que não falaríamos sobre feminismo. Não sou especialista no assunto, mas procuro sempre ler sobre. De toda forma, essa decisão se deu apenas por respeito a várias ativistas que dizem que homem não pode falar sobre feminismo. Eu não concordo com essa máxima, mas, para este momento, preferi respeitar e procurar debater apenas representação de gênero.
      Não havia entre nós a intenção em sermos catedráticos e afirmar verdades, apenas quisemos apresentar parte da nossa visão sobre estes temas. E entre nós mesmos não há consenso, cada um tem sua visão, por isso algumas vezes o papo pode ter parecido conflitante.
      E sim, poderíamos ter tido uma mulher para participar deste episódio. Da mesma forma que poderíamos ter tido participações feminina em qualquer outro episódio do Iradex, mas nem sempre isso é possível, infelizmente.

      Sem falsa modéstia, o teu comentário é essencial para que nosso discurso melhor se desenvolva. Eu realmente acho que, assim como a grande maioria dos brasileiros, a minha visão sobre construção social e gênero precisa ser melhor educada.

  • Marcela Lins

    Marcela – 23 anos – Publicitária. Escuto o podcast de vocês desde quando o Ph participou de um Papo de Gordo e fez a propaganda. Estou escutando os anteriores e os novos. Sou fã, mas só agora resolvi escrever pois vocês pediram e eu vi um comentário que discordo. Vocês estão prontos para falar sobre feminismo e qualquer outra causa que queiram mesmo que não tenham um representante participando. Por mais que nem sempre voc6es tenham o conhecimento da causa, vocês conseguem sempre respeitar a causa e isso é o mais importante. Um participante, não vou lembrar de quem agora pela voz, falou muito bonito sobre sua filha e em ela poder fazer o que quiser não importando quem ou o que ela seja. Me senti 100% representada e adoraria que meus pais ouvissem isso quando eu tinha 17 anos e escolhi minha faculdade.

    Meninos, continuem o ótimo trabalho de vocês. Em um programa passado, alguém teve todo o cuitdado pra falar dos homossexuais. Achei muito lindo esse cuidado e atenção em abordar um assunto. Ainda mais dentro da mídia podcast, que eu acompanho e vejo sempre muita zoeira com tudo.
    Abraços meninos, PH, DjKaio, Gabriel e Zé e beijo pra Livia.

    • Ohh Marcela, muito obrigado! 🙂
      Pra mim é muito gratificante saber que nosso trabalho tem esse tipo de reconhecimento. Acreditamos demais no discurso que carrega em si respeito e tolerância com as diferenças e nos esforçamos para levar essa mensagem pra frente.

      P.S.: Quem falou isso sobre suas filhas, foi o único pai dentre nós cinco, o Sr. Zé Wellington. 🙂

    • phsantos

      Oi Marcela,

      Que bacana seu comentário. Acho que o programa está conseguindo gerar o que esperávamos. Rs. 🙂

      Como o Kaio falou, só poderia ser o Zé a falar isso mesmo. Ainda me espanto quando alguém pega uma frase do cast e a utiliza, escuta, guarda.

      Confesso que fiz esse programa com um pouco de medo, mas creio que a palavra certa seja essa que você falou: respeito.

      =)

    • Gabriel Franklin

      Marcela, não foi só você que se emocionou com o comentário do Zé.
      Antes do podcast sair, a gente sempre dá uma pré-escutada pra ver se tá tudo ok. E eu enchi os zói dágua quando passou essa parte do depoimento do Zé. Acho que é uma atitude válida não só para pais de filhas, mas pra qualquer pai. Apoio e compreensão às decisões e escolhas de seus rebentos.
      Enfim, to quase chorando de novo. Valeu pelo comentário!

  • Marcela Lins

    Marcela – 23 anos – Publicitária. Escuto o podcast de vocês desde quando o Ph participou de um Papo de Gordo e fez a propaganda. Estou escutando os anteriores e os novos. Sou fã, mas só agora resolvi escrever pois vocês pediram e eu vi um comentário que discordo. Vocês estão prontos para falar sobre feminismo e qualquer outra causa que queiram mesmo que não tenham um representante participando. Por mais que nem sempre voc6es tenham o conhecimento da causa, vocês conseguem sempre respeitar a causa e isso é o mais importante. Um participante, não vou lembrar de quem agora pela voz, falou muito bonito sobre sua filha e em ela poder fazer o que quiser não importando quem ou o que ela seja. Me senti 100% representada e adoraria que meus pais ouvissem isso quando eu tinha 17 anos e escolhi minha faculdade.

    Meninos, continuem o ótimo trabalho de vocês. Em um programa passado, alguém teve todo o cuitdado pra falar dos homossexuais. Achei muito lindo esse cuidado e atenção em abordar um assunto. Ainda mais dentro da mídia podcast, que eu acompanho e vejo sempre muita zoeira com tudo.
    Abraços meninos, PH, DjKaio, Gabriel e Zé e beijo pra Livia.

    • Ohh Marcela, muito obrigado! 🙂
      Pra mim é muito gratificante saber que nosso trabalho tem esse tipo de reconhecimento. Acreditamos demais no discurso que carrega em si respeito e tolerância com as diferenças e nos esforçamos para levar essa mensagem pra frente.

      P.S.: Quem falou isso sobre suas filhas, foi o único pai dentre nós cinco, o Sr. Zé Wellington. 🙂

    • phsantos

      Oi Marcela,

      Que bacana seu comentário. Acho que o programa está conseguindo gerar o que esperávamos. Rs. 🙂

      Como o Kaio falou, só poderia ser o Zé a falar isso mesmo. Ainda me espanto quando alguém pega uma frase do cast e a utiliza, escuta, guarda.

      Confesso que fiz esse programa com um pouco de medo, mas creio que a palavra certa seja essa que você falou: respeito.

      =)

    • Gabriel Franklin

      Marcela, não foi só você que se emocionou com o comentário do Zé.
      Antes do podcast sair, a gente sempre dá uma pré-escutada pra ver se tá tudo ok. E eu enchi os zói dágua quando passou essa parte do depoimento do Zé. Acho que é uma atitude válida não só para pais de filhas, mas pra qualquer pai. Apoio e compreensão às decisões e escolhas de seus rebentos.
      Enfim, to quase chorando de novo. Valeu pelo comentário!

  • Fabricio Nunes

    Sou fã da franquia Avatar, depois de assistir a 1ª temporada de Legend of Korra, foi assistir novamente toda a Lenda de Aang, depois terminei de assistir os outros episódios Legend of Korra, quem não assistiu não sabe o que está perdendo. Já Marvel’s Agent Carter ta na lista para assistir no futuro.

    Os Podcasts (Iradex, PH show e Sete Reinos) estão cada vez melhores…0/

  • Fabricio Nunes

    Sou fã da franquia Avatar, depois de assistir a 1ª temporada de Legend of Korra, foi assistir novamente toda a Lenda de Aang, depois terminei de assistir os outros episódios Legend of Korra, quem não assistiu não sabe o que está perdendo. Já Marvel’s Agent Carter ta na lista para assistir no futuro.

    Os Podcasts (Iradex, PH show e Sete Reinos) estão cada vez melhores…0/

  • sou fã de Ph Santos.

  • sou fã de Ph Santos.

  • João Eugênio C. Brasil

    Salve….

    Este foi um dos melhores Iradex até agora! Adorei mesmo…..

    Embora ache que um programa ainda deva ser dedicado à toda a polêmica ligada ao machismo/sexismo, a pegada leve deste Iradex fez as coisas rolarem com perfeição. Duas estupendas indicações. Confesso que nem cheguei perto de Korra, tendo assistido somente a primeira temporada de Avatar. Mas a forma apaixonada como foi indicado e debatido, me fez colocar Korra na minha já enorme lista de coisas para ler/assistir/ouvir !!!!! E vocês são os culpados!!!! HEHEHEHE…. Uma questão… vocês não comentaram o fato do último episódio de Korra mostrar que possivelmente ela fosse lésbica (pelo que vi nos debates na internet)…. isso confere ou eu entendi errado? Se sim, o que vocês acharam disso?

    Já agente Carte eu acompanhei e assino embaixo de tudo o que disseram. Como bom Marvete não deixo passar nada relacionado ao seu universo e garanto que estou passando por uma época de ouro com tantas produções em cinema e tv sobre seus personagens. Acho que a construção da personagem foi adequada ao que esperávamos e caiu perfeitamente na proposta da Marvel. Espero que as próximas produções sejam tão boas quanto essa.

    Como eu já tenho uma filha com uma certa idade (15) já tenho o privilégio de debater com ela os temas desse tipo de produção e fico feliz em saber que elas estão começando a se tornar mais e mais comum, mas ainda MUITO abaixo do necessário…. Ainda estamos em um mundo machista, preconceituoso e feio … infelizmente! Espero que essas iniciativas de programas, e podcasts como o Iradex (puxada de saco básica!!! hehehehe) sejam cada vez mais comuns!!!!

    Muitos abraços daqui do Sul!!!!

  • Pingback: Demolidor (Netflix) - A televisão sem medo()

  • Sebastião Júnior

    O RSS não está sendo atuaizado?

  • Sebastião Júnior

    O RSS não está sendo atuaizado?

  • Pingback: Incógnito (piloto): A representação feminina em Steampunk Ladies | Iradex()

  • Pingback: Sem Fim: Escute até o final, sério! | Iradex()