A Gata de Minha Sobrinha

Estando absorto em seus pensamentos, um escritor depara com um olhar felino. O que aqueles olhos querem dizer?

A Gata de Minha Sobrinha é um conto escrito por Cicero Junior, distribuído em primeira mão aqui no Contos Iradex. Embarque nessa leitura.


A Gata de Minha Sobrinha

Sentado em meu quarto, escrevia mais um triste conto, quando olho para o espelho e deparo com a imagem da gata negra de minha sobrinha.

Era noite e eu estava só.

Em um primeiro momento não fiquei impressionado com a visão, pois era costumeiro que o animal adentrasse em meu quarto e, com o espelho sobre minha escrivaninha, podia ver toda extensão que cobria minhas costas.

No entanto, diferente de outras vezes, a peralta sustentou seu olhar como se quisesse encarar-me, quase que olhando dentro de mim. Estremeci um pouco, mas como meu ceticismo impede-me de acreditar no sobrenatural, apenas levantei e enxotei o animal.

Continuei concentrado nas palavras que escrevia até levantar o rosto do papel e perceber que a gata novamente lá estava a observar-me, sempre com uma fixação quase humana.

Dessa vez fui pego de surpresa e libertei um leve espasmo seguido de um suspiro.

Permaneci um tempo imóvel, observando aquele olhar que me engolia e ao mesmo tempo queria dizer-me algo, mas não sabia o que.

Mais uma vez expulsei-a do recinto e, desta vez, resolvi trancar a porta a fim de que não houvesse mais obstruções.

Sentei em minha velha cadeira e prossegui com meu escrito sem preocupar-me com novas interrupções.

Então, enquanto preparava a finalização minha obra, ouvi um miado contido.

Não pude acreditar, uma vez que tranquei a porta, mas, ao verificar o espelho, lá estava ela, a pequena assombração que teimava em perturbar meus afazeres e minha consciência.

Fiquei estarrecido, com um batimento cardíaco incontrolável que se via pelo subir e descer de minha camisa. Foi o momento que cheguei mais próximo de rezar a algum deus.

A gata então se aproximou, pulou em meu colo e encarou-me fixamente.

Sim! Era a minha alma que ela via e temi por isso. Aqueles dois olhos amarelos e suas fendas profundas arrastavam-me para uma onda de terror que tragou minha consciência.

Então a gata desceu e parou próxima a porta esperando que eu a abrisse. Depois que o fiz, ela partiu da nossa casa para aparecer morta no dia seguinte.

Mas, nas noites que fico só a escrever meus textos, ainda escuto seu miado e vejo seu reflexo em meu espelho. Nunca serão esquecidos aqueles olhos amarelos e aquelas fendas profundas...


Esse conto foi escrito por Cicero Junior para o Contos Iradex.
Para reprodução ou qualquer assunto de copyright a autora e o blog deverão ser consultados.


Sobre o autor: Cícero é um escritor de poemas nas horas vagas que às vezes tenta um conto um conto ou outro.
Sobre o projeto: Contos Iradex é um projeto colaborativo do site, com textos, contos, minicontos ou até livros mais curtos para a apreciação de vocês, leitores. Se você tiver uma história que merece ser contada, envie um e-mail para contos@iradex.net.