O que as músicas mais tocadas no Spotify dizem sobre o meu 2017

Fim de ano é sempre a mesma coisa. Pode ser em um bonito dia, numa chuva de domingo ou numa tarde livre, como um tipo de magia você vai incorporar a Simone e se perguntar ”o que você fez” nem que seja só por uma noite de dezembro.

Eu, que me sentia maior que o meu corpo, comecei o ano com um sonho de mudança e um sentimento de que enfim iria aproveitar o que eu queria e achava que não podia. Eu queria correr pra viver. E logo. Esse era o sentimento no início de 2017.

Mas a vida meu amigo, a vida às vezes é uma pancada atrás da outra, um machucado atrás do outro. Ela pode deixar o homem “no chão” (é assim que os ~ jovens ~ dizem hoje em dia né?). Às vezes deu até vontade de se esconder embaixo da ponte. A vida pode te fazer se sentir um perdedor. E nem todo mundo é forte como uma pedra. Eu até me senti uma, mas como uma pedra rolando, sem destino, sem saber onde ia parar.

Eu me senti tão cansado. Tiveram momentos que eu queria que as luzes se apagassem e que tudo aquilo passasse. Em alguns momentos eu quis mandar tudo se fuder pra sempre como se fosse resolver. E não ia né? Não é assim que se resolve nada.

O jeito que eu fazia as coisas era o culpado de tudo que aconteceu? Talvez. Eu quis voar pra bem longe de onde eu tava. Um dia queria que alguém me salvasse. Outro dia eu não queria mais nem ser salvo. Eu devo ir ou devo ficar? Eu não sabia o que fazer comigo.

Solidão. Mesmo em público é possível se sentir só. Tem dias que a gente acha que eles não se importam com a gente. Eu senti falta de um amor. Não um específico. Talvez o sentimento que se foi e eu cheguei a pedir que não fosse. Mas foi.

É preciso ter paciência pra entender que nem sempre você consegue o que você quer. E que não dá pra ter controle de tudo e que todo mundo mundo se machuca. Você, querendo ou não. Mesmo que você tenha sido um mau namorado, é preciso fazer seu coração parar de chorar e lutar pra fazer ele sorrir. Em momentos como esse é que você aprende a viver de novo. E o momento é agora.

Mesmo que além da gravidade o mundo também queira te colocar pra baixo, eu pensei que eu sou uma estrada, que às vezes podem passar alguns caminhões por cima, mas eu tô lá, firme e forte. Vez em quando preciso de um recapeamento, mas eu tô lá. Pode passar. Porque eu sou brasileiro, e eu vou sobreviver, porque nós podemos ser heróis, não aqueles que salvam o mundo, porque do jeito que as coisas tão, salvar a si próprio já é muita coisa.



Clique aqui para ouvir no Spotify

  • Mackenzie Melo

    Que texto legal, Renan. Li um pouco do seu ano e agora vou deixar rolar a trilha sonora para vê-lo e senti-lo com meus ouvidos. Valeu!