Os Meyerowitz: Família Não Se Escolhe | Resenha

Os Meyerowitz, a nova produção da Netflix, lançada em 2017, junta grandes nomes como Dustin Hoffman, Adam Sandler, Ben Stiller, Emma Thompson e Elizabeth Marvel.

Danny, Matthew e Jean se vêm obrigados a se reencontrar por conta de seu pai, Harold Meyerowitz, um artista prepotente que, mesmo sendo muito talentoso, é pouco reconhecido. Nesse reencontro, rivalidades e magoas passadas serão relembradas e vividas mais uma vez.

O diretor e roteirista Noah Baumbach consegue implementar, em uma premissa simples, varias discussões um tanto quanto complexas: a influência da figura paterna sobre os filhos, aceitação, amor e relacionamentos. Mas, mesmo com diversos temas sendo debatidos, a trama é levada de maneira sarcástica, o que deixa tudo mais leve. Há um sentimento que remete a obras de Woody Allen e também alguns elementos que parecem terem sido tirados da Nouvelle Vague. Ainda assim, não é um filme genérico de forma alguma.

O ponto central de toda a obra está sustentado na interação dos personagens. Por sorte, todos os atores estão competentes em seu trabalho (sim, isso inclui até o Adam Sandler). Todos os três irmãos sofreram, de alguma forma, uma influência do pai.

Danny é um homem visivelmente frustrado, que sempre clamou pelo reconhecimento e carinho paterno. Matthew pode até parecer o mais bem-sucedido, todavia, toda a expectativa do seu progenitor sobre ele acabou se transformando em algo negativo. Já Jean carrega consigo uma historia de total negligência do pai. Pode até parecer, falando assim, que Harold é tratado como o vilão, mas não é tão simplório assim. De fato há erros e displicências por parte dele, mas existe também muito carinho e admiração com os filhos, tornando a relação menos maniqueísta e mais real.

Há também as personagens Eliza (interpretada por Grace Van Patten) e Maureen (vivia por Emma Thompson), a filha de Danny e a esposa de Harold, respectivamente. Ambas tem participações menos expressivas na trama principal, entretanto, seus arcos narrativos são bem construidos.

Depois de tantos filmes ruins, fica até difícil pensar em algo positivo vindo de uma produção com o envolvimento de Adam Sandler. Mas, acredite ou não, Os Meyerowitz: Família Não Se Escolhe é um excelente filme e pode dizer até mesmo que o ator é um de seus maiores destaques. Se suas próximas produções seguirem essa linha, serão muito bem-vindas.

  • Mackenzie Melo

    Realmente, assistir algum filme de Adam Sandler e Ben Stiller (sim, junto os dois no mesmo grupo) e esperar algo realmente bom é complicado, pelo menos para mim. Apesar de que, tenho que confessar que gosto um pouco mais de Stiller e alguns filmes dele me agradaram bastante. Entretanto, como sou muito, mas muito mesmo bobo para rir de Adam, gostei de Click, Como se fosse a primeira vez e Um Faz de Conta que Acontece. Podem me julgar! 🙂 Em compensação, como gosto muito de Dustin Hoffman e Emma Thompson, vou dar uma chance a esse também Rudi.

    • Roberto Rudiney

      Eu tbm gosto de algumas coisas dos dois, mas acho que ambos se dão melhor em filmes com pegadas assim e não tanto em comédias escrachadas (mesmo gostando de algumas tipo,zoolander do Ben Stiller e do click do Adam Sandler). Exemplo, adoro o Ben Stiller em enquanto somos jovens e na vida de Walter Mitty e o Adam Sandler em embriagado de amor.