Mixtape #6: Samples

É muito comum escutarmos uma música e automaticamente associarmos a outra que já conhecemos. Um motivo pra que isso ocorra é o uso de Samples, que é quando um artista usa uma parte (sample) de outra música. Pode ser um instrumento, uma parte da música em sua totalidade, letra ou melodia que seja reconhecível.

Há casos de justaposição musical e casos de abdicar do contexto original – músicas que você não consegue reconhecer a original e a nova música se torna a "origem" daquele trecho.

O ato de "samplear" começou nos anos 40 – principalmente no estilo musique concrete (um tipo de música eletrônica produzida com edição de fragmentos de músicas, sons e etc), porém os instrumentos mais avançados na técnica surgiram apenas após os anos 70 – e é super comum e notável nas músicas comerciais de pop e rock.

Preparei uma playlist com algumas músicas que exemplificam o uso de samples. Escute, divirta-se, e escreva nos comentários quais você conhece que utilizam samples em sua composição.

Sampled: Talking Heads – Psycho Killer (1977, Tony Bongiovi, Lance Quinn – Sire Records)
Selena Gomez – Bad Liar (2017, Ian Kirkpatrick – Interscope)

Sampled: Edwyin Birdsong – Cola Bottle Baby (1979 – CBS/Sony)
Daft Punk – Harder, Better, Faster, Stronger (2001 – Virgin)

Sampled
: Etta James – Somethings got a hold on me (1964, Leonard Chess, Phill Chess – Argo)
Avicci – Levels (2:45) (2011, Interscope)

Sampled: Aaron Copland – Fanfare for the Common Man (2:08) (1942 - Reference Recordings)
Queen – We Will Rock You (0:25 em diante) (1977, Queen, Mike Stone – EMI, Elektra)
E sampleando o Queen, Lady Gaga com You and I (1:14) (2011, Lady Gaga, Robert John, Mutt Lange – Streamine, Kon Live, Interscope)

Sampled: The Andrew - Oldham Orchestra (minutos 0:17) e (1:37)
The Verve – Bitter Sweet Symphony (É bem claro o a sample nesse caso – é até meio decepcionante)

Sampled: Eighties – Killing Joe
Nirvana – Come as you are (a música toda)

Sampled: Jlo – If You Had My Love
Drake – Teenage Fever

Sampled: The Chiffons – Hes so Fine
George Harrison – My Sweet Lord (que é sampleada por Rilo Kiley – Silver Lining)

Sampled: Lovebug Starski – Youve Gotta Belive (0:43) ( 1982 – Kurtis Blow – Fever Records)
The Smiths – How soon is now (3:12) (1984 – Rough Trade)

Sampled: Bo Didley – I am a man (1955 – Checker Records)
George Thorogood – Bad to the Bone (1982 – EMI America)

Sampled: The Supremes – You Keep me Haging on (1966 – Tamla Motown)
Mark Ronson – Stop me (3:01) (2007)

Sampled: Tom Petty and the Heartbreakers – American Girl (1976 – Shelter Records)
Strokes – Last Nite (2001 – BMG)


Hanna Pinheiro, DJ desde 2010 das grandes festas de rock de Fortaleza, destaque das noites da cidade com várias referências nos sons nacionais e também uma pesquisadora de musicas novas. Já foi DJ residente do Orbita Bar e DJ da Festa Fliperama. Atualmente tem residência no Berlinda Club.

  • Isabel Maria Pinheiro Arruda

    Muito esclarecedor. Isso explica nossa sensação de já conheço

  • Mackenzie Melo

    Gostei demais da lista, Hanna.

    Uma coisa que lembrei quando li e ouvi as músicas foi a disputa entre Vanilla Ice e o Queen na música Under Pressure. Vanilla Ice poderia ter dito que ‘sampleou’ parte da música, mas como falou que compôs e que era diferente, acabou gerando um problema sério para si mesmo. Isso me fez pensar que ‘samplear’ é, como quando escrevemos, fazer as citações dentro do texto e anotar na bibliografia e em notas de rodapé que foi desse ou daquele autor que o texto citado foi retirado. Ou seja, ‘samplear’ é usar música de outras pessoas, mas dar crédito a quem crédito merece.

    Valeu pelo trabalhão de juntar essas músicas e disponibilizá-la aqui no Iradex.

    • Hanna Pinheiro

      Sim! Exatamente, muitos nao querem dar creditos
      Ia colocar na lista taj mahal, mas teve dessas questões hahaha
      Entao evitei

    • Hanna Pinheiro

      Tem uns que também nao dao creditos por questoes de $$$$

  • Andrey Melo

    Amei, Hanna. Parabéns!

    • Hanna Pinheiro

      Obrigada!!! 🙂

  • Raisa Arruda

    Muito bom e esclarecedor! E mais uma vez parabéns por essa escrita fluida e leve 🙂