Uma Nova Vida: O Destino

Uma história nunca tem um lado só. Daniel se perguntava porque tinha feito aquilo, só não teve tempo de achar uma resposta.

Uma Nova Vida é um conto escrito por Amauri Vargas, ilustrado por JP Martins e distribuído em primeira mão aqui no Contos Iradex. Embarque na terceira parte dessa leitura.

Parte 01 - O Ataque
Parte 02 - A Morte

Se quiser uma imersão durante a leitura, coloque os fones e ouça “On the Nature of Daylight”, de Max Richter.


Uma Nova Vida: O Destino

Religioso, a exemplo de tudo o que a mãe lhe ensinou, Daniel refletiu por dias os motivos que o teriam feito aquilo. “Porque não hesitei? Porque não pensei em que parte acertar? Porque não mirei nas pernas? Cinco segundos teriam mudado tudo”, levou a mão, ainda machucada pelo evento ocorrido semanas antes, até a testa, cobrindo os olhos que não podiam encarar a própria imagem no espelho do banheiro.

Caminhou alguns passos em direção à um dos armários e tirou a parte debaixo da farda no vestiário que permanecia vazio. Apenas de cueca e meias da cintura para baixo, enquanto repousava a arma ponto quarenta com a mão esquerda, usou a direita para ligar o celular. Tirou a jaqueta com a patente de subtenente ainda grudada por um grosso velcro.

Era final do expediente administrativo no qual foi alocado durante a investigação de homicídio. Ele poderia ir para casa, se afundar na cama que a própria mãe arrumou mais cedo, já que a diarista estava doente.

Ele conseguiu se vestir e, ao encarar novamente a tela do aparelho, viu algumas chamadas perdidas. Estranhou, mas nada veio à sua mente, mesmo depois de ler o número dela. Caminhou até o estacionamento, parando antes para falar com o superior.

- Valim, o incidente do parente da vítima na porta da sua casa não vai ser incluído na investigação. Eu convenci o Major que tudo aconteceu na rua. Então fica por isso mesmo.

- Obrigado Capitão - ele disse. Ainda teve um - Vai na paz, garoto - de volta, seguido de um aperto de mão e um tapinha nas costas.

Voltou a caminhar e, já fora do edifício, alguns passos mais à frente ouviu uma voz conhecida. A ligação fez sentido naquele exato momento. E ele imaginava o que estava por vir.

- Você me fodeu esse tempo todo e achou o que? Que eu não ia descobrir?.

Daniel teve medo, mas o instinto o fez virar cento e oitenta graus em torno do próprio eixo.

- Bataglia, calma, vamos conversar...

- A conversa contigo vai ser na bala. Você tem coragem de trair um parceiro teu, um cara que olha pela tua vida todo dia na rua? Um cara que recolhe teu corpo estirado no chão, se bandido te peneirar?

- Bataglia, eu posso explicar...

- Eu não vim aqui pra conversar. Você fez a minha mulher me beijar com a mesma boca que ela usou pra chupar o seu pau? Seu filho da puta. Você merece é bala.

O homem de camiseta branca, jaqueta de couro e calça jeans disparou três vezes praticamente a queima roupa. Após o corpo de Daniel ir ao chão, seus olhos permaneceram abertos. O outro subtenente, que permanecia de pé, encostou a ponta da arma contra a própria cabeça, o que imediatamente queimou uma de suas têmporas. E disparou.

Durante o período em que foi mantido longe do trabalho, Giovani leu praticamente todos os dias e, naquele dia, hora do jantar, a comida deixada por uma amiga foi requentada no micro-ondas antes de ser engolida em frente a TV.

Ele viu o âncora do telejornal ler uma nota sobre “o policial que matou a esposa em casa, assassinou o amante dela no local de trabalho e em seguida se suicidou”. Paralisado, ouviu ainda que um dos mortos era “o mesmo policial que tirou a vida de um homem durante as manifestações, no centro da cidade, um mês antes”.

Giovani recostou-se na poltrona tentando digerir tudo aquilo, e ao contrário do que esperava isso não o fez sentir-se melhor. Era tudo triste demais, na realidade.

Com ajuda do controle remoto apagou a TV naquele mesmo instante, tirou o telefone do gancho, desligou o celular e foi se deitar.


Esse conto foi escrito por Amauri Vargas e ilustrado por JP Martins para o Contos Iradex.
Para reprodução ou qualquer assunto de copyright a autora e o blog deverão ser consultados.


Sobre o autor: Amauri Vargas é jornalista, fala mais do que deveria e bebe menos do que gostaria. Pai de duas gatas, marido de um romântico e filho de um herói, sempre escreveu ficção que ninguém lia. Até agora.
Sobre o projeto: Contos Iradex é um projeto colaborativo do site, com textos, contos, minicontos ou até livros mais curtos para a apreciação de vocês, leitores. Se você tiver uma história que merece ser contada, envie um e-mail para contos@iradex.net.
  • Adah Conti

    Amauri, só agora li o conto completo. Realmente achei ótimo. De verdade. Você tem muito talento para contar uma história, Teus personagens são totalmenete verossímeis. Fez eu me importar com o destino deles. Por favor, escreva mais.

  • AJ Oliveira

    Porra! Novamente eu achei que acabava aqui. Se me surpreender de novo no prox te pago uma breja. haha.

    Bora pro último! =)