O Cravo Bem Temperado: Concerto, Concertino e Sinfonia

Por Vinicius Hilario

Você sabe a diferença entre concerto, concertino e sinfonia?

Alguns termos na música erudita podem confundir ou passar despercebido por muitas pessoas, por isso na coluna de hoje resolvi explicar de forma prática a diferença entre algumas estruturas musicais.

Um concerto, por exemplo, é uma obra musical feita para um ou mais instrumentos , acompanhados por uma orquestra ou piano, onde o instrumento objeto do concerto tem destaque sobre a orquestra. Isto não significa, no entanto, que os dois irão disputar as notas para ver que um prevaleça, mas sim, existirão de forma harmônica.

Estabelecer uma data para a origem do concerto é muito difícil, mas ele teve seu maior uso no período Barroco (séc. XVII a séc. XVIII). Acredita-se que seu nome tem origem nas palavras latinas “concertatum”, que deriva do verbo “concertare”, que significa combater, competir, e na palavra “consertum” que deriva do verbo “conserere” , ou ligar, entrelaçar ou atar.

Possui em sua forma três movimentos, sendo que o primeiro e o terceiro são rápidos, já o segundo é apresentado de forma lenta, sendo este último a conclusão do tema.

Não devemos confundir o concerto com o concertino. Este último é uma obra composta para apenas um instrumento, executada por vários solistas¹. Atualmente o termo pode ser usado para concertos diferentes, com um só movimento, com duração limitada ou para concertos acompanhados por orquestras menores.

Já uma sinfonia difere do concerto na utilização dos instrumentos na composição, porque normalmente nenhum instrumento é mais importante na obra, eles podem aparecer de forma separada, mas nunca em destaque. No período barroco a palavra Sinfonia era usada para qualquer composição orquestral, geralmente utilizada para introdução de uma obra maior

Foi no período clássico (segunda metade do séc. XVIII até o início do séc. XIX) que a sinfonia ganhou forma e começou a ser usada de forma brilhante. Compositores desse período formaram a estrutura da forma como conhecemos atualmente. Dividido em quatro movimentos, sendo o primeiro rápido, segundo o mais lento, terceiro o mais simples (e mais rápido) e o último a conclusão da obra, uma mistura dos temas utilizados. Assim como a sonata clássica era composta por apresentação rápida, exposição, desenvolvimento e recapitulação dos temas principais.

No período romântico (final séc. XVIII até o início do séc. XX), a sinfonia iria se modificar e se tornar mais flexível, onde muitos compositores utilizavam somente dois ou três movimentos. O caráter mais emotivo começou a prevalecer na sinfonia com diferentes usos, como a introdução de corais em movimentos da obra.

A sinfonia é o maneira do compositor expor suas ideias e a composição, maior força de seu trabalho, exige muito esmero e tempo, pois são obras gigantes em termos de partitura e de difícil técnica. Uma obra pode durar de 30 a 40 minutos e algumas vezes até extrapola isso.

Espero ter esclarecido a diferença entre esses termo de forma simples. Aperte o play e perceba a diferença entre eles.

¹ Solista é um músico especializado em tocar um único instrumento. (N. do A.)

Playlist

Clique aqui para ouvir no Spotify


O Cravo Bem Temperado é uma coluna escrita por Vinicius Hilario, para nos aproximar da música erudita com um olhar atual e descomplicado.
Experimente, aprofunde-se, e deixe a boa música guiar suas emoções.