A Responsabilidade do Autor | Roteirismos Podcast | HQ Sem Roteiro

Depois de muito tempo, estamos de volta com o Roteirismos, nosso programa que revela os bastidores do fazer quadrinhos. Nesse programa, trazemos um papo superrelevante pra qualquer artista. Afinal, qual a responsabilidade de um autor? Qual o papel do autor na sociedade? Além do autor, qual a importância das empresas produtoras de entretenimento no âmbito social? Para essa conversa, trouxemos duas convidadas maravilhosas: Anne Caroline Quiangala, roteirista e editora do site Preta, Nerd e Burning Hell; e Rebeca Puig, roteirista e editora do site Collant Sem Decote. A mediação fica por conta de Luís Carlos Sousa e Pedro PJ Brandão.

 

Baixe o MP3

Link interessantes:

Músicas desse programa:


Contribua com o Padrim do Iradex

keep-calm

Rede Iradex

Contatos

  • Pingback: Links da semana – 14 a 20/8 | Lady's Comics()

  • Henrique Barreto

    Muito bacana o tema, pode ser explorado muito mais falando de outras artes além da nona. Vemos essa responsabilidade social absolutamente imperativa na série “13 reasons why”. O cineasta Pablo Vilaça escreveu alertando sobre a série ser um “gatilho” para pessoas sensíveis ao tema suicídio. Vendo por outro lado, algo que sempre comento em conversas é a responsabilidade externada em documentário do Steven Spielberg falando do filme ET, onde ele se arrepende de ter feito modificações no filme décadas depois numa edição especial, já que, para ele, o filme já fazia parte do imaginário do público, jamais deveria ter sido modificado. Foi de encontro ao que George Lucas fez com Star Wars, modificando a torto e a direito e deixando uma grande legião de fãs das antigas chateados…. eu acredito na responsabilidade da obra num primeiro plano, mas deixando livre para releituras por parte do público. Uma experiencia pessoal, aqui em Fortaleza, participando de alguns eventos/encontros, a decepção é grande com fãs de quadrinhos que não têm qualquer sensibilidade com as mensagens passadas por seus autores e personagens, vestem uma camisa, compram uma miniatura, mas erguem bandeiras conservadoras e preconceituosas… Como professor, acredito que a construção/desconstrução seja gradual, sendo seu fim o ápice numa conjuntura individual em que várias bandeiras sejam levantadas juntas a partir de uma consciência coletiva sobre a produção artística. Abraços fraternos!